sexta-feira, 27 de novembro de 2020

Lidando com Borderline

 


LIDANDO COM BORDERLINE

              Para lidar com Borderline será necessário observar, avaliar as suas atitudes antes de reagir.

              Para lidar com Borderline de uma maneira que não lhe traga estragos será fundamental:

·       Estabelecer seus limites;

·       Trabalhar seu próprio lado pessoal, respeitando suas vontades;

·       Observe e analise quais são os comportamentos que mais te incomoda;

·       Minimize suas reações visíveis;

·       Aceite que não tem controle nos pensamentos dos outros;

·       Não se defenda, não negue, não contra-ataque e nem se afaste.

Lembre-se que como adulto, terá a opção de se afastar quando o relacionamento estiver doloroso.

Paula Espíndola

#borderline #limites #relacionamentospsicologia #paulaespindolapsicologa #insightpsique

quinta-feira, 26 de novembro de 2020

LIVE 101 - Convivendo com Borderline

 


Convivendo com Borderline

 


CONVIVENDO COM BORDERLINE

              Para ter uma relação saudável com Borderline será uma tarefa bem delicada, pois terá que aprender a se preservar, estabelecer seus limites e aprender a cuidar de si.

              Acredite! Estabelecer seus limites contribuirá para essa relação com Borderline.

              Aprenda a escutar o Borderline, faça contato visual, aproxime-se fisicamente para lhe dar apoio e acolhimento.

              Não se pode esperar que Borderline em plena tensão emocional aja de maneira lógica.

              Uma dica valiosa: não assuma a responsabilidade pelos atos de outra pessoa.

              Será preciso assumir o controle e identificar seus próprios limites.

Paula Espíndola

#borderline #relacionamentosaudavel #relacionamentospsicologia #paulaespindolapsicologa #insightpsique

quarta-feira, 25 de novembro de 2020

Perguntas para psicóloga sobre AMIZADE

 

AMIZADE

 

1.       Minha amiga que está se formando em psicologia, esqueceu das aulas de ética e acha que pode ficar me analisando. Me afastei um pouco dela por conta disso. Gosto dela, mas ela é minha amiga e não terapeuta.

              Acho que não se pode misturar mesmo as estações. Mas eu te pergunto: Você conversou com ela sobre isso? Acho que vale a pena vocês conversarem e coloca para ela o que você está sentindo, aí depois da conversa, se nada mudar, você vê o que é melhor para si, porque na amizade é sempre bom o respeito. A psicoterapia é válida para qualquer pessoa, mas você tem que querer.

 

2.       Tenho muito ciúmes das minhas amigas. O que devo fazer?

              Quando começamos uma amizade é muito comum termos sentimento de posse e com o tempo, esta amizade vai amadurecendo e vamos conhecendo melhor o outro.

              Temos que respeitar a individualidade dos nossos amigos. E na amizade também temos que aprender a dividir.

              Converse com elas para você mesma entender o porquê deste ciúme, olhe primeiro para você, como está consigo mesmo?

 

3.       Como chamar de amigo, uma pessoa que te julga por você ter tido uma criação muito rígida, que nunca pode fazer nada?

              Acho que você tem que conversar com esse amigo. Aliás será que é mesmo seu amigo? Por te julgar pela educação que você teve? Deveria te ajudar, te apoiar.

              E te dou uma sugestão! Se essa educação rígida te incomoda, converse com seus pais, exponha o que você está sentindo, quem sabe você consegue mudar um pouco essa situação!

 

4.       Não gosto da amiga da minha amiga e ela sempre está nos mesmos eventos que eu vou. Como dizer isso sem magoar a amiga em comum de ambas?

              É um direito seu não gostar dela, mas você não pode impedir a outra pessoa de se afastar dela.

              Agora você tem que pensar: O que é melhor para você? Não ir aos eventos quando ela for ou aprender a conviver com ela.

              Você tem que colocar numa balança e ver o que vale mais a pena para você. Cuidado para não se isolar.

 

5.       Meu amigo conta a mesma história umas 3 vezes. Como dizer que ele já me contou as coisas sem magoar seus sentimentos? Ele é sensível!

              Escutar pela segunda vez, você está testando sua tolerância, agora pela terceira vez você pode ir complementando a história quando ele for contar, porque ele vai perceber de uma maneira sutil que ele falou aquilo.

              E tem muita gente que tem essa mania! Geralmente é uma forma de autoaceitação e autoafirmação.

 

6.       Minha mãe mudou depois que fez uma nova amiga. Não cuida mais da casa e nem da gente (meu pai, minha irmã e eu). Somos adultos, mas ficamos o dia todo fora. Já pensamos em pagar alguém para cuidar da higienização da casa, mas ela não aceita, pois acha que não precisa, que é exagero nosso. Como falar com ela?

              Como todos da família estão incomodados com a situação, acho que deveriam sentar e conversar em família para colocar o que vocês estão sentindo e que querem ajudá-la e escute também para saber o que ela está sentindo, o que está acontecendo para ela ter mudado tanto.

 

7.       Minha amiga é folgada e acha que devemos aceitar seus caprichos. Como estou tomando as rédeas da minha vida, comecei a bater de frente. Agora, ela quase não fala comigo.

              Acho que você está certíssima! Porque o que me parece é que você cansou daquela situação e se impôs.

              Agora, se ela não fala mais com você, parece que a amizade não era tão forte assim e vá em busca de novas amizades que te respeitam.

 

Paula Espíndola

#amizade #relacionamentospsicologia #perguntasparapsicologa #paulaespindolapsicologa #insightpsique

 

Vídeo do tema: Como manter as amizades?


https://www.youtube.com/watch?v=7Bm1rOk3tbI&t=8s

 

 

Critérios de identificação do Borderline


 

Gatilhos emocionais do Borderline

 


GATILHOS EMOCIONAIS DO BORDERLINE

              Deve-se ter consciência desse transtorno de personalidade Borderline e saber que não será uma relação de calmaria, mas com bastante intensidade.

              Tenha a clareza de que não poderá obrigar o Borderline se tratar, saiba quem ele é e esteja preparado para agir de acordo com suas crenças e valores.

              As pessoas modificam o comportamento quando realmente acreditam que os benefícios da mudança serão maiores do que os obstáculos enfrentados para chegar lá.

              Fique atento aos gatilhos emocionais do Borderline e não leve essas atitudes para o lado pessoal.

Paula Espíndola

#gatilhosemocionais #relacionamentospsicologia #paulaespindolapsicologa #insightpsique

terça-feira, 24 de novembro de 2020